terça-feira, 22 de agosto de 2017

Asareat, Seaprof e Sindicato Rural promovem oficina sobre uso da Mucuna aos produtores Rurais.

A Associação dos Seringueiros e Agricultores da Reserva Extrativista do Alto Tarauacá- Asareat, em parceria com a Secretaria de Estado de Extensão Agroflorestal e Produção familiar-Seaprof e Sindicato dos trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Jordão –STTRJ, e apoio da Prefeitura Municipal de Jordão e Instituto Chico Mendes-ICMBio, realizaram nos dias 20 e 21 de agosto 2 (duas) oficinas de Mucuna (leguminosa), com os produtores dessas comunidades.

O objetivo principal, depois de capacitados, é a diminuição do fogo, redução nos gastos com mão de obra, reduçã da área de uso e melhoria da produção. Com o uso dessa leguminosa, o produtor não precisará mais derrubar a mata para fazer seu roçado diminuindo assim seus gastos, riscos de vida, passando assim ter mais facilidade para produzir.

Esta não a primeira vez que os produtores rurais de Jordão ouviram falar dessa nova técnica de uso do solo, mais muito mistérios a cerca da mesma deixavam esses produtores receosos com a pratica, e até aqueles que testaram se arrependeram pois não tiveram nem uma capacitação.


Os quase 50 produtores que estiveram na capacitação, disseram que irão fazer um teste e se der tudo certo vão adaptar a pratica na sua propriedade. 





O QUE É MUCUNA: 

LEGUMINOSAS

MUCUNA PRETA
Mucuna Preta
Resistente à seca, sombra, altas temperaturas, a acidez dos solos e ligeiramente resistente a encharcamento. Sua época de semeadura é de outubro a dezembro e a colheita de junho a julho, tendo um ciclo vegetativo de 180 dias. É muito rústica, produzindo boa quantidade de forragem, sendo seu principal atributo a capacidade de despraguejamento de áreas infestadas por plantas daninhas. Pode também ser utilizada em áreas de descanso mais prolongado e em rotação de culturas.
DESCRIÇÃO
Nome científico: Mucuna aterrina vc. Mucuna preta
Família: Leguminosas
Ciclo vegetativo: Anual
Forma de crescimento: Trepador volúvel

ADAPTAÇÃO
Tipo de solo: Todos bem drenados
Altitude: Até 1200 m
Precipitação anual: 700 – 1500 mm

TOLERÂNCIA
Seca: Alta
Frio: Média
Umidade: Média
Cigarrinha: Alta
Sombreamento: Alta

PRODUÇÃO
Matéria seca: 15 t
Biomassa: 30 – 40 t/ha
Ciclo até o florescimento: 150-180 dias
Fixação de nitrogênio: 170 – 210 kg/ha
Produção de proteína: 18 – 20%

UTILIZAÇÃO/MANEJO
Tempo de formação: 180 dias
Primeiro pastoreio: Não
Altura do corte: Não
Incorporação: 15 dias após o início do florescimento

Documentário sobre tribo do Acre participa de festival nos Estados Unidos.



Selecionado entre mais de 1.500 inscritos, o premiado curta-metragem “Huni Kuin – Os Últimos Guardiões”, da produtora La Casa de la Madre, será exibido no festival DC Shorts, na capital americana, Washington.

“Huni Kuin – Os Últimos Guardiões”, documentário produzido pela La Casa de la Madre e dirigido pelo cineasta Danilo Arenas, foi selecionado para participar do DC Shorts Film Festival, evento que acontece de 7 a 17 de setembro, em Washington (EUA). O curta-metragem mostra a realidade da tribo Huni Kuin na aldeia do Rio Envira, no Acre, relatando a luta dos habitantes da floresta pela preservação da mata que está sendo devastada.
Selecionado para o festival entre mais de 1.500 inscritos, “Huni Kuin” faz parte do La Madre Docs, selo criado em 2016 para a produção independente de documentários autorais. O curta-metragem já recebeu, no começo deste ano, o prêmio “Award of Excellence” no festival norte-americano Impact Docs Awards e participou do Environment Film Festival na Albânia e do festival Cine Pobre, no México.
“Ter esse filme selecionado em eventos internacionais é um reconhecimento de uma questão social e ambiental urgente e uma oportunidade para debatermos a questão da Amazônia em âmbito internacional", destaca o CEO e roteirista da La Casa de la Madre, André Castilho.


Assista ao filme vimeo.com/191013483.

ICMBio é um dos vencedores do Prêmio Inovação.

36426475302 20ac49aea2 z
Após superar 160 concorrentes e ficar entre os 10 melhores, projeto de monitoramento de gestão do Instituto foi selecionado nesta terça entre os 5 ganhadores na categoria Inovação em processos organizacionais.


O 21º Concurso Inovação no Setor Público, promovido pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), definiu, nesta terça-feira (15), em Brasília, as iniciativas vencedoras da edição 2017. A premiação será entregue em solenidade marcada para o fim de outubro.

A etapa final escolheu 15 projetos vencedores, sendo cinco em cada uma das três categorias. O Sistema de Análise e Monitoramento de Gestão (SAMGe), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), ficou entre os cinco ganhadores na categoria Inovação em processos organizacionais no Poder Executivo Federal.

Realizado anualmente, desde 1996, o concurso, segundo a Enap, busca valorizar servidores públicos comprometidos com o alcance de melhores resultados, que dedicam-se a repensar atividades cotidianas por meio de pequenas ou grandes inovações capazes de gerar melhoria na gestão das organizações e políticas públicas que contribuam para o aumento da qualidade dos serviços prestados à população.

Durante o processo de seleção, o SAMGe ficou, inicialmente, entre as dez melhores práticas na sua categoria em uma triagem que contou com a participação de 160 concorrentes de todos os estados do Brasil. 

Essa é a terceira vez que o ICMBio chega à final do Prêmio Inovação. A primeira foi em 2009 com o Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade (Sisbio) e a segunda em 2013 com o Almoxarifado Virtual.

A solenidade de entrega do prêmio será realizada em Brasília, no dia 31 de outubro. Na ocasião, serão entregues troféus à instituição, certificados para os integrantes das equipes e direito de uso do Selo Inovação em materiais de divulgação impressa ou eletrônica.

Além disso, os vencedores passam a compor o Banco de Soluções e o Repositório Institucional da Enap e as equipes ficam habilitadas a participar de eventos organizados ou viabilizados pela Enap e eventuais parceiros, com o objetivo de valorizar, aprimorar e disseminar a inovação no setor público.

Gestão das UCs

O SAMGe é um sistema institucional, de ciclo anual, que avalia e monitora a gestão de unidades de conservação (UCs). Atualmente, o ICMBio administra 324 UCs federais em todo o País. O sistema foi concebido e realizado integralmente por servidores do Instituto, mais especificamente da Divisão de Monitoramento e Avaliação de Gestão (DMAG), em Brasília, na época chefiada por Felipe Rezende, com recursos próprios e apoio do WWF-Brasil. 

A ferramenta avalia a gestão das UCs por meio da análise de elementos territoriais – o que se quer manter, as relações da sociedade com esses elementos e as ações dos órgãos gestores. Tudo isso é feito por meio de um painel de gestão que permite o preenchimento e a visualização de dados, gerando resultados que podem auxiliar outros processos, como plano de manejo e compensação ambiental.

O SAMGe contribui ainda para subsidiar a tomada de decisão em âmbito local, sistematizar e monitorar informação territorial em uma base comum e gerar relatórios gerais ou específicos. Além disso, o sistema também é utilizado, ainda de forma incipiente, como ferramenta para priorizar ações e processos em UCs federais e estaduais apoiadas por projetos especiais.

Atualmente, o SAMGe se encontra no meio do ciclo 2017, com a finalização dos elementos necessários para a próxima aplicação, que terá início ainda neste terceiro trimestre. Este ano a forma de aplicação ainda será via arquivos de planilha, sendo necessária somente a atualização dos dados já preenchidos nos anos anteriores (monitoramento).

Comunicação ICMBio

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Petecão quer alternativas para aliviar tensão entre colonos e ICMbio.


Em audiência com o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, a Bancada Federal do Acre, coordenada pelo senador Sérgio Petecão (PSD), e integrantes do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), trataram da tensão que existe entre os mais de 200 moradores do assentamento Maloca, na Reserva Extrativista Chico Mendes, em Xapuri, e o ICMBio. A situação se agravou após aplicação de multas milionárias do órgão fiscalizador aos produtores do assentamento. “Procuramos delinear uma solução para o crescente conflito entre seringueiros, latifundiários e representantes do ICMBio”, disse Petecão.

O embate se dá em razão de o ICMBio ter penalizando os seringueiros por degradação em área de proteção ambiental. No entanto, de acordo com os moradores, a área havia sido desmatada no passado. A questão não é fácil de se resolver por envolver questões legais, ambientais e morais, em diversos pontos de vista conflitantes entre ambientalistas e colonos e produtores rurais.

Para Petecão, a bancada começou a discutir a possibilidade de conversão das penalidades aplicadas - como multas e expulsões - em ações de reflorestamento.Entretanto, ainda há um longo caminho para uma solução concreta. "Demos um passo em direção de evitarmos os conflitos violentos. Concordarmos com a preservação do Meio Ambiente, porém, entendemos que isso deve ocorrer de maneira a manter a comunidade que nasceu na região e precisa retirar da terra o seu sustento", disse Petecão.

O ministro sugeriu a criação de uma comissão entre o ICMBio, moradores da reserva Chico Mendes, Ministério Público e outros entidades representativas para desenvolver um projeto piloto que atenda ambos os interesses.

Fonte: Assessoria


quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Batalhão Ambiental e Ibama apreendem madeira ilegal na Transacreana.

 Agentes do Batalhão Ambiental da Polícia Militar (BPA) e fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) se deslocaram na última terça-feira, 15, ao Ramal Antimary, na Rodovia Transacreana, para averiguar indícios de desmatamento na região.

A madeira foi retirada em uma propriedade sem autorização dos órgãos de meio ambiente. As castanheiras já tinham sido derrubadas e serradas e estavam sendo estocadas.

A madeira foi apreendida administrativamente pelos agentes públicos. O proprietário da área foi notificado e deverá prestar esclarecimentos aos órgãos competentes no prazo de três dias.

No local os fiscais também encontraram as motosserras utilizadas na derrubada. Todos os equipamentos foram apreendidos.



“Nossas ações têm sido desenvolvidas em parceria com órgãos estaduais e federais. Os autores foram flagrados e devem responder pelos danos causados ao meio ambiente”, disse o major Samir Freitas, do BPA.

Leia mais aqui

Feijó e Tarauacá lideram ranking de queimadas no Acre.

O último relatório de queimadas divulgado nesta quarta-feira, 16, pela Comissão Estadual de Gestão de Riscos Ambientais (CEGdRA) coloca Feijó e Tarauacá no topo do ranking dos municípios com mais registros de focos de calor em todo o Acre.

O levantamento é do Instituto de Mudanças Climáticas e Regulação de Serviços Ambientais (IMC) e subsidia as ações de órgãos de fiscalização como o Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac) e Ibama.

Desde o início de 2017, foram registrados 40.075 focos de calor nos estados da Amazônia Legal. O Acre ocupa a sétima posição entre os nove estados da região, com 940 ocorrências – 426 somente no mês de agosto.

A maior parte das queimadas e incêndios tem ocorrido em áreas de projetos de assentamento e propriedades particulares. Cruzeiro do Sul, Sena Madureira e Manoel Urbano ocupam as posições seguintes da lista.

Nos próximos dias as ações de combate devem envolver pelos menos 30 agentes públicos.

“Juntos, Ibama e Imac já autuaram produtores em vários municípios do estado, superando a casa dos R$ 2 milhões. Nós pedimos o apoio da população e lembramos que a punição para este tipo de crime é severa e acarreta no embargo das propriedades”, destacou Paulo Viana, diretor-presidente do Imac.



sexta-feira, 7 de julho de 2017

Petecão anuncia R$ 3 milhões para investimentos em saúde.

Senador Sérgio Petecão
O senador Sérgio Petecão (PSD) anunciou nesta quinta-feira (06) empenho de R$ 3,159 milhões investimentos na saúde pública de nove municípios acreanos. Os recursos são provenientes de emendas do parlamentar junto ao Fundo Nacional de Saúde, do Ministério da Saúde, e vão beneficiar os municípios de Bujari, Cruzeiro do Sul, Epitaciolândia, Manoel Urbano, Plácido de Castro, Porto Acre, Senador Guiomard e Tarauacá  R$ 2,459 milhões serão aplicados em ações e políticas de saúde especificas de cada região. Dessa forma, será possível custear a atenção básica de saúde e iniciativas dos programas Saúde da Família, agentes Comunitários, Saúde Bucal e outros.

Outra parte no valor de R$ 700 mil serão destinados exclusivamente para a aquisição de equipamentos de saúde. Segundo Sérgio Petecão, a saúde pública é prioridade, uma vez que grande parte da população utiliza o serviço público de Saúde. "Com esses recursos, as prefeituras poderão melhorar a qualidade no atendimento", afirma o senador.

Confira abaixo a lista de municípios contemplados:

Custeio das atividades de Saúde

Prefeitura
Valor da Emenda
PM Cruzeiro do Sul
R$ 300.000,00
PM Epitaciolândia
R$ 300.000,00
PM Manoel Urbano
R$ 100.000,00
PM Porto Acre
R$ 300.000,00
PM Porto Walter
R$ 200.000,00
PM Senador Guiomard
R$ 759.768,00
PM Tarauacá
R$ 500.000,00
Total
R$ 2.459.768,00

Aquisição de Equipamentos de Saúde


Prefeitura
Valor da Emenda
PM Bujari
R$ 200.000,00
PM Plácido de Castro
R$ 500.000,00
Total
R$ 700.000,00

Fonte: Assessoria

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Parlamentares definem destino das emendas de bancada para 2018.

A bancada federal Acreana se reuniu nesta terça-feira (04), em Brasília, para discutir as emendas que serão apresentadas às metas da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018. O coordenador da bancada, senador Sérgio Petecão (PSD), destacou que poderão ser apresentadas até três emendas, na qual duas serão em caráter impositivo – quando o governo é obrigado a executá-las.

Os parlamentares concluíram que as emendas impositivas serão destinadas para a recuperação e manutenção da BR-364 e para investimentos na educação superior no Estado, expandindo os cursos ministrados pela UFAC com a construção de novos campis em outros municípios. A terceira emenda será aplicada para a construção de ponte no município de Porto Acre.

Emendas para a Segurança Pública e Manutenção de Ramais

Sérgio Petecão aproveitou a reunião para relatar o andamento das negociações para a liberação das emendas destinadas a manutenção dos ramais, R$ 154 milhões, e de Segurança Pública, R$ 70 milhões, que foram alocadas pela bancada no Orçamento deste ano. 

De acordo com o senador, o Governo do Estadual, até o momento, somente elaborou a proposta de aquisição de equipamentos para a Segurança Pública que se encontram em análise do Ministério da Justiça. Sobre a emenda que prevê a manutenção de ramais, o Governo estadual tem até o dia 30 desse mês para cadastrar a proposta. “Estivemos com técnicos do Ministério da Justiça para definirmos o calendário de aprovação da proposta de R$ 70 milhões, para a Segurança Pública no Acre. Parte dos recursos ainda está contingenciada. Em agosto, iremos intensificar as audiências junto ao governo federal para solicitar a liberação dos limites orçamentários e empenhar os recursos” relatou.

Sérgio Petecão considera que as emendas de bancada devem ser tratadas como prioridade. "São recursos de valores altos. Em apenas duas emendas impositivas somamos aproximadamente R$ 224 milhões garantidos anualmente ao Acre”, disse o parlamentar.

Fonte: Assessoria


quarta-feira, 28 de junho de 2017

Banco da Amazônia e Seaprof realizam o primeiro mutirão de credito rural em Jordão.

O Banco da Amazônia juntamente com Seaprof de Tarauacá e Jordão em parceria com a Associação Agroextrativista da Resex Alto Tarauacá, Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Jordão, Prefeitura Municipal juntamente com o gabinete do Deputado Jesus Sérgio, realizaram o primeiro mutirão de crédito Rural onde 72 produtores deram entrada ao credito pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - PRONAF.

A meta é que seja investido no campo cerca de 1 milhão de reais em diversas áreas desde cana, galinha caipira, porco, agricultura ate gado leiteiro.
O Gerente do Banco da Amazônia de Tarauacá Moisés Neto, juntamente com o Superintendente da instituição de Rio Branco, estiveram em Jordão no final do ano passado e deixam claro que as intenções do Banco em vi pra cidade é liberar crédito, mas, desde que os produtores estejam organizados.

Foi ai que a única Associação de trabalhadores, no caso da Reserva Extrativista, dentro dos seus limites e através do seu presidente João Bráz, iniciou um trabalho de levantamento de demandas com as pessoas interessadas, onde 54 delas demonstraram interesse em acessar o PRONAF categoria A de valor máximo de até 26 mil reais. Infelizmente por pendencias no sistema de cadastro do INCRA não foi possível onde apenas 6 encontravam-se aptas a acessarem o crédito.

Tendo em vista tal situação, restaram aos produtores a opção Pronaf B e Pronaf Mais alimento, onde vários optaram pela segunda opção. Os produtores de outras áreas que até então nem sabiam da mobilização feita pela Asareat, foi mobilizada através do Radio pela própria Associação e compareceram em peso. No total foram feitas 72 operações de credito rural o que deve somar cerca de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) que serão investidos na agricultura familiar a na produção de gado leiteiro.

O presidente da Asareat disse no final que conseguiu cumprir com sua palavra dada aos moradores quando esteve nas comunidades, e que a luta continua agora junto ao Incra na tentativa de desbloquear mais pessoas e no fim do ano um novo mutirão de credito será realizado na Resex.


Quero agradecer primeiro a Deus e depois ao povo que confiou na gente e compareceu. Por fim, agradeço ao Banco da Amazônia de Tarauacá, Seaprof de Tarauacá e Jordão, Sindicato Rural, o gabinete do Dep. Jesus Sérgio, a Prefeitura de Jordão e ao ICMBio que nos ajudou nas idas as comunidades e cedeu autorização junto ao banco para todos os nossos produtores.

Blog Jordão Agora




sexta-feira, 31 de março de 2017

Senador Jorge Viana alerta: “Trump arrisca acordo de Paris sobre o meio ambiente”

No discurso, Jorge leu trechos de editorial de ontem do jornal The New York Times, que criticou a decisão do presidente dos Estados Unidos.

O senador Jorge Viana (PT-AC) subiu à tribuna do Senado nesta quinta-feira, 30, para denunciar o retrocesso na política ambiental dos Estados Unidos imposto pelo presidente Donald Trump. O parlamentar lamentou o recuo do dos Estados Unidos nos compromissos ambientais assumidos por Barack Obama.

“O governo Trump rompe com a espinha dorsal, com todos os fundamentos estabelecidos no governo Obama para o cumprimento do Acordo de Paris, o acordo do clima”, criticou. O senador diz que os argumentos anunciados por Trump são “ absurdos”. “Ele diz que o incentivo à intensificação do uso de base energética de combustível fóssil é que vai gerar emprego, é que vai fazer com que a economia possa ser retomada”, lamentou.

“Ledo engano”, discursou. “Qualquer um que se debruce a estudar sabe que o acordo do clima, que a busca do desenvolvimento sustentável, as mudanças nas matrizes de energia e transporte são não uma obrigação, mas uma oportunidade que os países têm de ganhar mais dinheiro, gerar mais emprego, com inovação”.

Jorge Viana diz que os Estados Unidos assumiram um compromisso, assim como o Brasil, durante a COP 21. “Agora, ao invés de dar uma satisfação no cumprimento desse compromisso assumido em Paris, em 2015, vem o governo dos Estados Unidos fazendo exatamente o contrário”.



ASAREAT: Aos poucos as coisas começam a funcionar.

Dia 21 de janeiro de 2015, depois de uma Assembleia Geral com a presença de cerca de 120 sócios, a Associação dos Seringueiros e Agricultores da Reserva Extrativista do Alto Tarauacá-Asareat passa a ter uma nova diretoria encabeçado por João Bráz, Manoel Monteiro, Geovane Machado e Rosenildo de Melo Silva.  Depois de assumirem seus cargos viram o tamanho do desafio encontrado pela frente. Uma casa abandonada na Rua Vicente Tomaz do Vale, invadida pelo mato, ratos e lixo, sem água, sem luz, sem se quer uma cadeira ou uma mesa pra planejar o que poderia fazer pela frente.

Encontramos um escritório na Avenida Francisco Dias sem as mínimas condições de trabalho. Sentamos e criamos um plano de trabalho com as principais demandas como por exemplo a Reforma e ampliação da sede; implantação do mercado dos produtores; Buscar meios conscientes para explorar o extrativismo; Incentivo à produção de agricultura familiar e sustentável; Incentivo a piscicultura, avicultura entre outros e Incentivo as manifestações culturais.

Em parceria com alguns entes governamentais como a Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar- Seaprof, e Prefeitura de Jordão, já conseguimos avançar um pouco. Hoje, o governo tem recursos para revitalização da borracha natural, financiar e incentivar a fruticultura. A Sede já foi reformada e ampliada. Conseguimos religar a energia, estamos com um sistema de água que também vem suprindo as necessidades, foi construído um banheiro em madeira e reativamos o banheiro em alvenaria que estava interditado.

Reformamos, com ajuda do ICMBio, a voadeira e o motor Honda 13 HP, conseguimos um motor Branco a diesel de 10 HP, realizamos várias reuniões nas comunidade e agora estamos com alguns projetos a serem aprovados. Através de incentivo do Governo do Estado estamos desenvolvendo o Programa de Desenvolvimento Sustentável do Acre -PDSA II, com o plantio de açaí, maracujá e graviola.  Ao todo o projeto custará, se aprovado, em trono de R$ 1 milhão de reais. A estimativa é que tenhamos um retorno daqui a 6 (seis) anos de 2,5 milhões de reais por ano para os produtores.


Hoje temos também um espaço físico rústico e simples onde vendemos os produtos dos produtores, uma geladeira, um fogão e sempre que possível servimos um café. Disse o presidente João BrázAlias, em novembro deste ano tem eleição para compor a nova diretoria da entidade onde o atual presidente tem amplo apoio tanto das comunidades como do órgão Gestor o Instituto Chico Mendes. Dificilmente João perderá essa eleição, caso seja candidato a reeleição e pelo que se mostrar tem tudo pra ser novamente.

Abaixo, algumas imagens do trabalho que vem sendo feito com os produtores.


Em Reunião com Superintendente e Gerente do BASA e produtores

Em Reunião na comunidade Massapê

Voadeira da Asareat reformada

Concerto do Barco da Asareat

Doce de cana à venda no mercadinho da Asareat 
Produtor trazendo seu produto

Produtor trazendo seu produto

Farinha de mandioca de qualidade

Pé de moleque

Produtor trazendo seu produto

Sapato de borracha 100% natural

Produtora recebendo seu dinheiro

Ovos de galinha caipira
Milho verde

Milho para ração

Mel de abelha

Mandioca

Limão caipira

Limpeza do quintal da Asareat

Goma de mandioca pra tapioca

Verduras

Feijão de praia

Conversando com os técnicos do Banco da Amazônia- BASA

Na Rádio com o Superintendente e Gerente do Banco da Amazônia

Produto chegando da Asareat
Produção de borracha natural

Reunião na comunidade Boa vista

Reunião na comunidade Tabocal

Técnicos da SEAPROF de Rio Branco

Concerto do Barco da Associação 

Reunião na Comunidade Nazaré Rio São Salvador 

Reunião na Comunidade Alagoas 

Consultor do Sebrae na Rádio 

Trabalhando no Mercadinho da Asareat 

Carna Suina 

Coloral